Posts Populares

Mas, hein?

By : Janaína Pupo



Olá meu povo querido!

Gente, o texto de hoje pode parecer piada, mas é real. Aconteceu com uma leitora, e desculpa minha querida Elaine, mas assim que li teu e-mail tive uma crise de risos.
E já que a Elaine permitiu que eu compartilhasse o que aconteceu com ela aqui no blog, aproveito para dar algumas dicas...

“Meu nome é Elaine e tenho um namoro à distância, faz um ano. Meu namorado é brasileiro, mas mora na Flórida, e o tempo que passamos juntos praticamente é pela web. Mês passado ele veio para o Brasil e eu quis lhe fazer uma surpresa. Preocupei-me com os mínimos detalhes, usei uma lingerie lilás, que é a cor preferida dele, decorei o quarto com velas e pétalas de rosas, preparei uma cesta com frutas. Meu namorado adora banana e eu, para surpreendê-lo fiquei deitada na cama, com uma pose sensual e uma banana introduzida na minha vagina. Assim que ele me viu, ficou eufórico e quando viu a banana, começou a comer a pontinha dela que estava exposta. Só que aí começou o nosso desespero, pois a banana não saia de dentro de mim e cada vez que ele tentava tirar, a fruta ia se desmanchando. Foi horrível, não transamos, eu estou muito sem graça com ele até agora e o pior é que ele teve que voltar para a Flórida. Até hoje sinto cheiro de banana saindo da minha vagina e sinto cólicas também. Sei que devo ir ao médico, mas morro de vergonha de ter que explicar o acontecido a ele. O que eu faço, Jana? Será que com o tempo esse cheiro passa?”

Às vezes fico questionando como certas coisas são possíveis.
Elaine queria surpreender o namorado e só porque o danado gosta de banana resolve enfiar uma na xereca?

Minha filha, a banana é igual pau “meia bomba”, não é dura nem mole, é “indefinida”.
Tá, ele gosta de banana, fizesse então uma fantasia “a lá Carmem Miranda” com um monte de bananas na cabeça, ou picasse bananas em rodelas e espalhasse sobre o teu corpo ou elaborasse um colar de banana ou fizesse um doce de bananas e passasse por cima da xana, sei lá!

Sou super a favor de usar brinquedinhos, mas os de sex shop, os apropriados, como consolos, vibradores, bolinhas tailandesas, ovos vibratórios, estimuladores e vários outros infinitos. Tá, se for o caso você improvisa, mas escolha algo que não vá lhe causar nenhum risco e não esqueça de encapar “o bicho” com camisinha. Agora usar frutas ou legumes na minha “rosinha”? Nem pensar! Não sou feira livre.

Banana, pêra, uva, morango, pepino, chuchu, berinjela, abobrinha, cenoura etc e tal, não servem para introduzir “nos seus orifícios”. Sim, vovó já dizia que frutas e legumes fazem bem a saúde, que banana tem vitamina que engorda e faz crescer, mas se mastigado e engolido por “outra boca”, não a de baixo. No máximo use para acariciar o clitóris, dando uma esfregadinha básica, caso você não tenha outros brinquedinhos (ou brinquedões) ou se os teus dedos amigos não te satisfazem.

Elaine, você queria fazer uma surpresa para teu bofe e acabou com um abacaxi, ops, uma banana nas mãos. Antes fosse nas mãos, porque pelo visto você “plantou” a banana na sua “quentinha” e se não procurar ajuda, daqui a pouco sua “perseguida” começara a dar frutos. Deixe a vergonha de lado e vá ao médico. Pode ter certeza que ele já viu coisas piores. Ele dirá exatamente o que você deve fazer, de repente uma “lavagem vaginal” já resolve tudo (ou não). Só um profissional pode te ajudar. E enquanto isto, mantenha-se longe do zoológico, senão os macacos podem pirar o cabeção quando sentir o seu cheiro e te adotar como a “Rainha Monga da buceta cheirosa”.

Brincadeiras à parte... vá ao médico e se livre desta preocupação. E se for armar outra surpresa para o teu bofe, por favor, nada de "descascar a banana", ok?


Beijos e boa semana, minha gente!
Jana Pupo

Dúvidas, críticas, dicas e sugestões escreva para:
jana.pupo@yahoo.com.br

Meu twitter
=)

A outra... ser ou não ser?

By : Janaína Pupo

Olá meu povo querido.

Bom, o assunto de hoje é repetido, mas resolvi falar sobre ele de novo, pois tenho recebido muitos e-mails de mulheres “sofrendo disto” e acho que elas estão precisando de óculos, pois parece que ficaram cegas.

“Oi Jana, meu nome é Ana e estou desesperada, pois não tenho com quem conversar e preciso mesmo de uma luz. Estou saindo com um homem casado há 11 meses. A relação está bem gostosa, só que sinto que ele está mais apegado a mim do que eu nele. Tenho 35 anos e ele 45. Ele é casado há 15 anos e tem três filhos. Tenho levado esse namorico não muito a sério, só que mesmo não o amando loucamente, sinto que ele está me conquistando cada vez mais. De um tempo pra cá, ele vem me prometendo mundos e fundos, inclusive disse que está preparando a sua esposa, pois quer pedir o divórcio, para ficar só comigo. Não sei o que fazer, você acha que devo investir nesse romance? Acha que posso acabar sofrendo? Me ajude, por favor!”

Xiiii... mais um mentiroso prometendo algo que não vai cumprir.
Seguinte, Ana... eu já escrevi sobre “vida de amante” e hoje, ouvindo mais e mais histórias de amantes, eu diria que, se tivesse alguma estatística, 11 entre 10 homens NÃO largariam suas esposas para ficar com “ a outra”.

Pra que largar o “certo pelo duvidoso”? Pra que abandonar um casamento cômodo, mesmo que for só de aparências? Pra que deixar uma se ele pode ter duas? Come em casa e come fora, um banquete praticamente.
Esqueça essa promessa fake, ele não vai pedir divórcio nenhum, vai continuar com esse papinho de que vai falar com a esposa e o tempo vai passando e você vai acabar é embolorando de tanto esperar (e depois que você virar um “pão velho e embolorado”, vai chorar por ter desperdiçado a tua juventude).

Amante tem que se submeter a um monte de coisas, viver como amante tem mais desvantagens do que vantagens, o preço que se paga pra ter um amor assim é tipo Mastercard (não tem preço).
Você não pode contar com o bofe sempre, só quando ELE puder. Comemorar datas especiais ao lado dele? Faça-me rir! Isso é quase uma lenda, um mito, é mais fácil você dar de cara com um unicórnio.

Do lado da esposa existem as preocupações e obrigações, do lado da amante as conversas interessantes e o prazer sexual. O “raparigo” se sente um verdadeiro “sultão” numa roda gigante de emoções e excitações (sim, o que é perigoso excita e muito).

Tem amante que se submete a um papel humilhante, pois deixa de viver a sua vida, fica iludida, sempre a espera do seu “sapo encantado”, abre mão de sair com os amigos, de se divertir, até mesmo de “ficar” com outros homens. Ora, ora, se ele tem uma fixa, porque você não pode ter outro (os) também? Vai ficar esperando ele te assumir “como algo” além de amante?
Então senta, amiga... senta porque você vai esperar pra sempre!
Você tem que ter consciência que será sempre segundo (ou último) plano na vida dele.

Finais de semana juntos?
Isto não existe, afinal, ele tem que fazer o papel do homem perfeito perante a família, ou seja, de final de semana você é literalmente “de ninguém”.

Telefonar para ele a qualquer hora pra contar uma notícia maravilhosa ou uma tragédia?
Nem pensar, Darling! O telefone dele não existe pra você.

Viagem romântica?
Só se for com a esposa. Se quiser curtir junto, peça para ele te mandar as fotos do lugar maravilhoso que ele esteve por e-mail.

Apresentar-te para algum amigo?
Você bebeu? Cheirou pum?
Ele JAMAIS irá te apresentar a um conhecido. Se alguém te ver junto dele e ele não tiver como se esconder, vai dizer que você é uma colega de trabalho ou até mesmo dar a desculpa de que não te conhece, que estava apenas pedindo uma informação. Imagino se alguém vir vocês entrando em um motel, aí ele pode dizer que você pediu uma caroninha, aff. E se forem vistos num restaurante, ele diz que quando chegou não tinha mesa desocupada e por isto ele sentou com você. Que situação!

Dar presentes a ele?
Não ouse. Como ele vai explicar para a “matriz” que ganhou aquele presente?

Ah, e se você tentar destruir o casamento dele, todo aquele amor que ele dizia sentir por você se transformará em raiva e sabe o que você ganha? Um belo pé na bunda com direito a sapato com bico fino!
Nunca, nunca mesmo pense nesta hipótese, pois ele continuará casadinho e você passará pela vadia sem noção.

É minha querida Ana, você pediu uma luz e estou te dando uma “Eletropaulo”. Fui muito rude? Desculpa flor, mas falo o que penso.

Não estou generalizando, conheço poucas mulheres que são amantes e são felizes. São mulheres preparadas e decididas a viver uma solidão contente. Essas não se importam em ser a outra, aliás, elas preferem ser a outra.
Existem “casais” que vivem assim e parecem almas gêmeas, se completam, mas são raros.

Ana, se você consegue ser feliz dividindo o bofe, bora seguir em frente com esse romance. Mas pense muito bem, faça uma boa análise sobre o que você quer para a sua vida amorosa, pois vida de amante não é fácil e de um jeito ou de outro, mesmo que seja no começo, a mulher sofre sim! Tenha os pés no chão e saiba com toda a certeza que você nunca terá exclusividade neste amor. Se quer ser exclusiva, pula fora logo deste barco e procure um homem pra chamar de seu!

Eu não vejo problema em a mulher aceitar (ou escolher) ser a outra, o problema é montar castelos, viver no mundo de Bobby, esperar por “coisas” que nunca terá, se iludir e acabar sofrendo.

Se acomodar com algo que te faz mal, que te dá mais sofrimento do que prazer e felicidade é total burrice.

Agora se te faz bem, que mal tem?

*

Beijos e boa semana, gente.
Jana Pupo.

Dicas, dúvidas, críticas e sugestões escreva para:
jana.pupo@yahoo.com.br

Sigam-me os bons!
=)

Dia dos namorados (e daí?).

By : Janaína Pupo

Olá meu povo querido!

E aí, como foi o dia dos namorados?
Ficou juntinho do love assistindo filmezinho “mela cueca” (ou calcinha)? Foi almoçar fora e enfrentou fila de duas, três horas e na hora de comer o mau humor era tanto que sentiu vontade de SE amaldiçoar por ter namorado (a)? Ou foi passar a noite (tentar) num motel e conseguiu uma suíte só pela manhã para literalmente dormirem juntos, de tão cansados que estavam de esperar? Os mais espertinhos se comem no carro enquanto esperam liberar um quarto, né não?

Ganhou presente? O que?
Flores, chocolates, jóia, lingerie, champanhe (cachaça 51 ou jurupinga para os “despreparados”), um carro (para os “preparados” demais), um cartão, um papel de pão com um poeminha, um vale compras, uma viagem com o (a) amado (a), um bilhete de metrô?

Fico reparando alguns casais nas redes sociais (e na vida real). Até a véspera do dia doze de junho, estavam se xingando ou fazendo picuinha um para o outro, dando agulhadas, alfinetadas e aí chega o dia de São Valentim e dá a impressão que acabaram de se conhecer e ficam num puta amor sem fim.

Ahhh vá, parece família que passa o ano todo cochichando, um falando mal do outro e quando chega o Natal todos se reúnem, dividem a mesma mesa, comem feito um bando de esfomeados, se amam mais que nunca, trocam presentes, alguns choram (pode ser de desgosto, mas fingem que é o clima jingle bell) e ficam torcendo para o ano novo chegar logo pra começarem um a falar mal do outro, tudo de novo!
Ou então igual “vida de morto” (hã?). Enquanto a pessoa está viva você senta a lenha, xinga, fala que não gosta, que a (o) fulana (o) não presta e depois que a pessoa morre, ela passa a ser boazinha e você fica se lamentando: Coitada dela, era tão legal!
Tem medo dela vir puxar teu pezinho, é? Pois eu na tenho! Se morreu e eu não gostava, penso: Antes ele do que eu!

Voltando a falar do dia dos namorados... se você tem namorado (a) espero que tenha aproveitado pra valer o dia de hoje, não só pelo fato da data em si, e sim por vocês se darem bem em dias “comuns”. E se teu (tua) namorado (o) mora longe, toca aqui o/ e chupa o dedo junto comigo ¬¬

Essa data também pode ser um dia de tortura... para os solteiros.
O que tem de “Zé e Maria carente” murmurando a semana toda por estar chegando o dia dos namorados e ter que passar sozinha (o), não é brincadeira! A pessoa entra em desespero. Meu twitter e facebook viraram um “muro das lamentações”. Eu estava quase oferecendo o meu telefone para fazer um “fala que eu te escuto”. Mas não sou o CVV (Centro de Valorização da Vida). Sinto muito.

Eu acho que não é motivo pra tanto. Ficar na fossa só porque ninguém te quer?
Ok, essa foi só para descontrair.
O ditado é velho, mas é fatol... melhor sozinha (o) do que mal acompanhada (o).

E se você é o tipo de pessoa que fica depre, se martirizando por estar só, bora fazer algo para melhorar a situação.
Convide seus amigos e amigas para saírem ou reúna todos na sua casa (ou na casa de um deles). Vai num videokê passar carão (por cantar mal pra cacete, e eu nem ligo). Você também pode aproveitar que está com seus amigos e irem a uma quermesse, de repente você encontra a metade da sua laranja, da maça, da jaca por lá, seu Chico Bento (ou a Rosinha).

Não inventa de comprar uma viagem de última hora para o alto da serra num chalezinho só porque você quer fugir no dia dos namorados e está em promoção em um site de compras coletivas (groupon, groupalia, peixe urbano, o caraio a quatro). Você não vai ver o Pé Grande “nas montanhas” e sim casais apaixonados e daí, só resta você se entupir de comer fondue ou procurar um precipício.

Arrumar um namorado às pressas? Tipo, passar em frente a uma construção e o primeiro que te chamar de “gostosinha” você vira desesperada e diz: “Gostou? Quer namorar comigo?”. E aí só falta você cantar para o sujeito "que no seu coração cabe o que não cabe na despensa, cabe uma penteadeira” e você passa a ser “a pessoa mais desesperada e ridícula da cidade”. Eu hein!
Melhor comprar um pinto de borracha, pois este não vai te dar as costas no dia seguinte (e os homens podem optar por uma boneca inflável).

Procurar defunto, ops, quer dizer o (a) ex. É uma tremenda cilada, Bino!
Nem pense nisso!

A melhor opção seria ficar em casa, numa boa e enxergá-lo como um dia qualquer (e não deixa de ser). Vai ler um livro (ou o meu blog =D), veja um bom filme (nada de Moulin Rouge, por favor), vai se masturbar imaginando que está com o Javier Bardem (eita que minha tara é esse homem) e os meninos pode imaginar a gostosona que preferir. Vai jogar paciência, sei lá, inventa!

É só o “dia dos namorados” e não o “ano dos namorados”. Um dia passa tão rápido!
Só não vai se dopar com remédios, calmantes, pra dormir 24 horas. Amor próprio é bom, né minha gente?

Eu não sou durona, coração peludo, a poderosa que não fica carente nunca, longe disto! Carência zero só existe em planos de saúde (e nem é em todos).
Só que muitas vezes, não enxergamos que somos nossa melhor companhia.

Clichê?
Mas é real!

Tem dia pra tudo, e dia do “avulso”?

*

Beijos e boa semana, minha gente!
Jana Pupo

Dúvidas, críticas, dicas e sugestões escreva para:
jana.pupo@yahoo.com.br

P.S.: Se você me mandou um e-mail e eu não respondi, mande novamente, por favor. Alguns e-mails não estão chegando na minha caixa de entrada.

Meu twitter
=)

Será que sou lésbica?

By : Janaína Pupo
Imagem retirada da net

Olá meu povo querido.

Hoje não vou ficar de lenga lenga, vamos direto ao assunto porque o papo é sério e espero ajudar mais uma leitora querida.

“Meu nome é Sofia e tenho 25 anos. Namoro há quatro anos. Meu namoro sempre foi bom, o sexo muito satisfatório e fazíamos de tudo para não deixar cair na rotina. Realizamos muitas fantasias juntos e o maior desejo do meu namorado era participar de um ménage feminino. Eu nunca descartei a idéia, mas no fundo morria de medo de acabar gostando de ter outra garota na nossa cama porque sempre que assisti filmes pornôs, a parte que mais me excitava era quando mostrava duas mulheres se acariciando. Decidimos realizar o ménage e foi com uma garota que conhecemos em uma balada, ou seja, uma desconhecida. Posso garantir que foi a experiência mais marcante e satisfatória da minha vida, eu nunca senti tanto prazer, mas fiquei assustada por ter sentindo todo aquele prazer com uma mulher. Desde que isto aconteceu, minha vida virou de cabeça pra baixo. Comecei a olhar as meninas com outros olhos, com desejo. Na internet fico babando em fotos de garotas. Fui a uma boate com o meu namorado e comecei a flertar com uma mulher linda, sem que ele percebesse e fiquei com muita vontade de beijar aquela mulher, de ir pra cama com ela. Achei que era coisa da minha cabeça e um dia, conheci uma menina na internet, conversávamos pelo skype, ela ligava no meu celular e o desejo, a vontade de estar junto dela só ia crescendo. Marcamos um encontro e foi maravilhoso. Prometi que terminaria com o meu namorado, mas Jana, estou muito confusa e por isto sumi da vida desta menina e estou sofrendo, porque chego a pensar que a amo. Não transo mais com meu namorado, esfriei e quando ele tenta me tocar, sinto nojo. Estou desesperada, não posso ser gay, eu sempre fui normal, sempre fiquei com meninos. Ta certo que quando eu era criança adorava ver minhas bonecas casando entre elas, detestava cor de rosa e adorava brincar de médica com as minhas vizinhas. Mas isto é coisa de criança! Na adolescência eu me excitava ao ver minhas amigas trocando de roupa na minha frente, mas isto acontece com muitas adolescentes por causa dos hormônios.Como vou falar pra minha família que gosto de meninas? Imagino a decepção que seria para os meus pais que sempre sonharam em me ver casar, ter filhos, ter uma família de verdade. E meus amigos? E a sociedade? Como todos vão passar a me encarar? Você já saiu com meninas, Jana? Acho que muitas garotas já fizeram isto e é normal ficar confusa, não é? Quero terminar meu namoro porque descobri que eu não o amo mais e ele está falando de casarmos ano que vem. Eu não quero casar com ele, não estou pronta, mas ao mesmo tempo penso que posso estar jogando uma boa oportunidade no lixo. Ele é bom pra mim e me ama. Me ajuda, Jana! Isso é só uma confusão boba que vai passar, não é? Será que sou lésbica? Diz que eu não, por favor!”

Sofia, minha flô, ta sentada?
Então senta porque é a minha vez de falar, ou melhor, escrever.

Quer dizer que no fim desse ménage quem recebeu "um belo presente" foi você. Quem diria, hein? Maravilha!
Imagino que você realmente esteja bastante confusa, mas basta você ler tudo o que escreveu neste e-mail e verá que tua resposta está entre suas próprias palavras.
Ok, talvez você esteja cega, mas tentarei limpar seus zóinhos e quem sabe te acalmar.

Vem cá... quem disse que ser gay é ser anormal?
Você disse que é normal e lhe adianto que, se você preferir as meninas, continuará sendo normal, oras!

Pelo o que você descreveu, parece que gosta sim do sexo feminino ou de repente, você pode ser bissexual, mas quem sou eu para afirmar isto?

Você mudou seu comportamento com o teu bofe, disse que não o ama mais e o que me preocupou foi essa história do casamento. Acho que o melhor que você tem a fazer agora é terminar este namoro. Casar só porque o fulano é bom pra você e te ama?
Roubada! Barco furado! Sai fora!

Se futuramente você achar que é com ele que você quer ficar (o que eu acho improvável), aí sim você tenta reatar o namoro. Hoje você está aí cheia de dúvidas, mas no fundo você sabe o que realmente quer.

“Mas eu não entendo como só agora fui ter interesse por mulheres.”

Nem tudo é para ser entendido. Ao invés de você tentar entender, tente se descobrir e se você for lésbica, bora se assumir e ser feliz!

Na minha visão cada um já nasce do jeito que é (é só minha opinião, ok? Não estou bancando a metida à psicóloga).

Você citou parte da sua infância e da sua adolescência.
Querida, eu sei bem como é isto dos hormônios estarem à flor da pele, mas na minha adolescência, quando eu via alguma amiga pelada, não a desejava, nem me excitava... eu queria era morrer de raiva caso alguma delas tivesse o corpo melhor que o meu e ficava desejando, praguejando mesmo, tipo: “Tomara que estoure estrias nessa barriga tão perfeita” ou “Santa Celulite, venha habitar no corpo desta criatura”.

Aquela coisa de competição de beleza entre meninas, sabe? Aliás, mulher adora competir com a outra, uó!

“Imagino a decepção que seria para os meus pais que sempre sonharam em me ver casar, ter filhos, ter uma família de verdade.”

MIACABO, fico passada no comfort quando leio coisas deste tipo.
Darling, gostar de meninas quer dizer que a pessoa não poderá se casar, ter filhos, uma família de VERDADE?
Ah sim, família de verdade você terá casando com o teu namorado e vivendo infeliz, né não? Ter um casamento de aparência (mais um, pois existem tantos casamentos assim), fingir que são felizes igual o casal da propaganda de margarina.

Para com isto! Alôôôuuu?!

Você pode ter uma companheira (ficou tão Lula isto), ter filhos (inseminação artificial, adoção), uma família feliz, com direito a animais de estimação, churrascos, feijoadas, viagens, passeios no parque e tudo o que qualquer um tem direito!

Respondendo sua pergunta, eu não fiquei com garotas, mas já recebi boas cantadas. Nunca senti atração, nem vontade e não digo que “dessa xota eu não beberei”, porque a vida é cheia de surpresas e vai que um dia eu queira, eu sinta vontade de provar “da Eva”?
Conheço casos de mulheres que depois de anos de casadas, largaram seus maridinhos para dividir o ninho de amor com outra mulher e são felizes.
Se esse dia chegar, vontade eu não passo, não mesmo. Só que até hoje, nunca tive interesse nas fêmeas.

Eu não tenho como afirmar que você é lésbica, mas acho ótimo você estar se questionando. Só que não vale se questionar a vida toda, por medo ou por pensar no que os outros vão achar. Acho que a resposta já está prontinha dentro de você, só que antes de qualquer um, você precisa se aceitar (lésbica ou não – bi ou não).
Talvez, o auxílio de um profissional (psicólogo) possa te ajudar e muito a trilhar este caminho de autoconhecimento.

“E meus amigos? E a sociedade? Como todos vão passar a me encarar?”

Eu estaria mentindo se dissesse que será tudo um mar de rosas, que todos irão comemorar e achar ótimo que você, de repente, goste de meninas.
Pra família pode ser um baque, mas por bem ou mal, eles terão que aceitar, você não deixará de ser a mesma Sofia de sempre, eles não deixarão de te amar.

Quanto aos amigos, você saberá quem realmente é seu amigo. Alguns podem te dar as costas, mas os verdadeiros ficarão ao seu lado.

A sociedade? Foda-se! Se você for se preocupar com a sociedade, você não vive, pois o preconceito existe e está sempre presente.
Esse povo “que se diz” hetero e que se acham os melhores, bando de filhinhos de papai, que saem na rua caçando homossexuais para surrar. Isso faz meu sangue ferver. Detesto homofóbicos!

Eu bem sei o que passo por ter um estilo (visual) fora do padrão. Tem quem me aponta e xinga, tem quem me ache uma perdida, drogada e vadia. Eu gosto do diferente, o igual me enjoa! Não vou mudar minha aparência por causa da sociedade, nem a pau Juvenal!

Sofia, se analise, mas não deixe isto virar uma obsessão. Viva cada dia, permita-se.
No fundo, nós temos as respostas pra tudo.
O que não pode é você viver uma mentira para agradar os outros, isto nunca! Enquanto os outros gozam da vida você se lamenta? Eles que vão praputaquepariu!

Tem um documentário que o estúdio Pixar fez com vários de seus funcionários dando depoimentos, chamado “E tudo vai ficar melhor”. É muito bom, vale à pena conferir, é só clicar aqui.
Inspirado neste projeto, André Matarazzo e Gustavo Ferri fizeram um curta-metragem chamado “Não gosto dos meninos” que mostra histórias de brasileiros gays, bis, trans ou “qualquer outra sigla que tenta definir o que não precisa definição”. O vídeo está aqui.

Ser gay não é uma doença, não é ter um demônio no corpo (como diz alguns religiosos), não é falta de vergonha na cara, não é anormal, não é uma opção, apenas É!

“Eu sou magra – Eu sou gorda – Eu sou negra – Eu sou branca – Eu tenho cabelo liso – Eu tenho cabelo crespo – Eu sou ruim – Eu sou boa - Eu sou hetero – Eu sou gay – Eu sou, eu sou, eu sou”

“Dentro de nós há uma coisa que não tem nome, essa coisa é o que somos.”
José Saramago.

Vixi que o papo hoje foi sério, heim minha gente?

E vocês, o que acham do caso da Sofia?
Se ela realmente for lésbica (ou bi) tem mais é que "sair do armário" e ser feliz, né não?


Link
Beijos e boa semana, gente!
Jana Pupo.

Dicas, dúvidas, críticas e sugestões escreva para:
jana.pupo@yahoo.com.br

Meu twitter
=)

- Copyright © 2013 Janaina Pupo - Traduzido Por: Template Para Blogspot