Posts Populares

Aconteceu comigo: Quase apanhei por causa do "Sapato 36".

By : Janaína Pupo


Olá, meus amores.

Hoje venho com novidade. Seguinte, muita gente me envia e-mail querendo saber da minha vida e, claro que, pego meu banquinho e saio de mansinho. E então, conversando com um amigo, ele sugeriu que eu contasse algumas das histórias engraçadas (algumas bizarras) que já me aconteceram. Pois bem, para a alegria de vocês (ou tristeza, é tristeza, pois não sou ninguém importante nem famosa), titia Jana fará isso.

Vez ou outra, postarei aqui no blog algum mico que (infelizmente) vivi. Sabe como é né,  a gente acha que aprendeu, aí vai lá e faz tudo de novo, mas chega uma hora que aprende (ou não).
Tem partes da minha vida, que eu preferia não ter participado, mas né, fazer o que? O legal é que tenho histórias pra contar, de tudo quanto é tipo.  Começarei com algo "light", ok? Bora lá, então...

1º Relato.

Lá fui eu para mais um show do Roberto Seixas (cover do Raul). Estava curtindo na maior vibe boa, cantando, me sentindo a Rauzete e eis que começa a tocar "Sapato 36". Pirei o cabeção, fui pro meio da pista, ergui os braços, fechei os olhos, só faltei reencarnar o Raul e de repente, sinto minhas mãos sendo tocadas (que estavam para o alto, tipo dando glória) e acho que tinha cogumelo naquele refrigerante, porque minha viagem era tanta, que continuei com os olhos fechados, com os braços para o alto, de mãos dadas com sei lá quem e cantando, quase que berrando "Por que cargas d'águas você acha que tem o direito, de afogar tudo aquilo que eu sinto em meu peito. Você só vai ter o respeito que quer, na realidade. No dia em que você souber respeitar a minha vontade".

Tá, cantei, berrei, fiquei quase com os braços travados e quando acabou a música e abri os olhos, achei que estava perdida no paraíso. Eita homem bonito!

Gente, eu estava solteira, o cara passou a música toda colado nas minhas mãos, trocando juras de suores (que nojinho), a música acabou, começou outra e o danado continuou alí, juntinho, agora me encarando com olhar de "quero lhe usar", poxa, como resistir? Só sei que nos beijamos ao som de "A Beira do Pantanal" e eu quase ovulei, porque acho a letra simplesmente linda. Só que, o bonitinho quis sair dali e ir para o "cantinho" e eu recusei. Ele começou a encher o saco e já não parecia mais tão bonito, sabe? Já estava bonitinho, o nariz estava gordo, a voz fina, é, eu estava inventando defeitos. Para não mandar o cara cagar com o cu pra cima e bancar a deselegante, não fui para o tal cantinho que ele queria, pois de tonta eu não tenho nada e bem sabia que lá era a toca da chapéuzinho vermelho e no caso, eu estava com o lobo mal, de mãos dadas. Não ia dar pra lobo nenhum, não pra um maluco beleza que eu nem tinha conseguido tirar o nome ainda.

Aí tá, recuamos da pista, para um lugar menos tumultuado e o bonitinho veio pra cima de minha pessoa carnuda como se tivesse vendo uma vaca atolada. Me beijava, mordia o pescoço, puxava os meus cabelos, falava palavras sacanas no meu ouvido, as mãos pareciam nunca terem tocado um corpo, tipo mãos da Etiópia, famintas. Sério, fiquei agoniada, sufocada, me sentindo presa e de repente, tive a impressão de que tinham mãos a mais ali naquele bolo, mas os puxões de cabelo estavam grosseiros e ele acrescentou tapas? Logo pensei: FODEU, QUE FETICHE É ESSE?

Não era porcaria de fetiche nenhum. Era a coitada da corna, a namorada do bonitinho.
Sim, ele tinha namorada.
Não, eu não imaginava.

E aí era braço pra cá, mão pra lá, tapa, chute, ela que xingava, ele que berrava, ela querendo me agredir, ele me defendendo, ela me chamando de vaca, puta, vadia, piranha, eu com cara de pepino de peruca rosa, um mero enfeite, ele dizendo que ele que me quis, que ela que era um lixo, aí já sabe né, tomei as dores dela (fiquei quieta, mas com raiva dele).

Meeeeooo, eles começaram a ter uma DR alí, no meio de todos e eu literalmente parecia um ornamento, um pepino de peruca, até que comecei a ouvir  "ela, ela, ela, ela, ela, ela, ela". A tal "ela" era eu e então, o pepino tomou vida, tipo milagre de Saramandaia, sabe? E eu não pensei em elegância, em classe, em porra nenhuma, apenas berrei:  PARE O MUNDO QUE EU QUERO DESCER!

Os dois arregalaram os olhos, a namorada respirou, acho que encheu os pulmões de ira e partiu pra cima de mim. Juro, eu derrubaria aquela mocinha com uma "tetada" (é, esse linguajar é horroroso), mas o bonitinho entrou na frente. Então, enquanto ele segurava a criatura, falei:
- Flor, homem que janta bem em casa, não faz "lanchinho" na rua!
Ela gargalhou e respondeu:
-Um lanche gordo desse, faz mal pra qualquer homem.
Ele:
-Cala boca! Ela é gostosa!

E aí, vendo aquela cena mesquinha, um casal se agredindo verbalmente, um diminuindo o outro, colocando abaixo do cu do cachorro, rodei a baiana:

- Ei, bonitinho, faz um favor? Cala boca e vira homem. Mulher não gosta de quem só fala e fazer que é bom, nada. Tenha atitude!
- E você, namoradinha do bonitinho, seu recalque bate no meu dedo do meio e volta para trás.

Claro que virei as costas, apertei os passos e fui-me embora, né? Gente, que situação mais desagradável, cruz credo. Eu alí, de Rauzete passei a pepino, depois para poderosa e saí correndo para o estacionamento igual o Papa-Léguas com medo de apanhar hahahaha.

Mas né, fazer o que? Se soubesse que ia tomar tanto no cu, tinha lançado a frase: No cu dos outros é refresco, no meu são quinhentos reais!

Chega por hoje de falar de mim =)

Beijos e boa semana, meus amores!
Jana Pupo.

P.S: Se você me enviou e-mail e ainda não respondi, peço desculpa e que tenha um pouco mais de paciência, que assim que der, respondo, ok?

Dicas, dúvidas, críticas e sugestões escreva para:
jana.pupo@yahoo.com.br

Te incomodo? Foda-se!

By : Janaína Pupo
Olá, amores, tudo bem com vocês?

Seguinte, a querida Suzane Barbosa, publicou em sua página no Facebook, uma espécie de "desabafo" e tenho certeza que ajudou várias garotas que vivem a mesma história e então, com a devida permissão, irei publicar aqui no blog também.
Parabéns, Suzane. Espero que você continue com essa visão, que não venha a cair no mesmo "buraco", pois não vale a pena.

Se a pessoa é gorda, magra, semi gorda, semi magra, semi pessoa, enfim... o que realmente importa? Ser feliz!
E a saúde? Acredite criatura, existem gordos saudáveis, assim como existem magros doentes. Pessoas gordas não são doentes, são apenas gordas.

Por que é tão difícil acreditar que existe gordo feliz?

A verdade é que um elefante incomoda muita gente, mas ser feliz, incomoda muito mais!

Cada um deveria cuidar de sua vida, seria tão mais fácil. Muito melhor ficar apontando o que se enxerga nos outros "como defeitos", porque assim, tenta esconder os seus, né não?

Enfim, bora ler o relato da linda Suzane =)





"Essa sou eu de biquíni e a barriga que eu odeio mais que tudo nessa vida e que estou lutando pra faze-la sumir, e até então, já se foram 26 kg.
1,63 de altura, 88 kg, 23 kg acima do meu peso ideal. Eu sou assim. Essa sou eu, sem corset, sem cinta, sem truques de moda pra disfarçar e alongar a silhueta, sem maquiagem, sem cabelo arrumado. Eu sou assim.

Por que estou postando essa foto? Porque estou em um processo lento de emagrecimento (explico mais abaixo o porque de ser lento) e cansei de esperar alcançar o peso desejado pra ser feliz, cansei de me esconder, cansei de disfarçar, cansei de deixar de fazer o que eu queria por causa do meu peso, cansei de deixar as pessoas me colocarem pra baixo, cansei de deixar as pessoas fazerem com que eu me sinta inferior por causa do meu peso, cansei de deixar que se metam na minha vida.
Eu vou emagrecer sim! Mas será que eu posso ser feliz  enquanto isso não acontece? Será que eu posso parar de disfarçar meu peso pra não te incomodar?  Pra você não olhar torto pra mim?

As pessoas logo taxam os gordos de preguiçosos, de relaxados, mas esquecem que existe casos e casos. Eu luto com a balança desde quando me conheço por gente, claro que já chutei o pau da barraca e fiquei muito tempo sem fazer nada por mim, porque passei por algo que conhecemos como "depressão". Perder peso não é fácil pra mim, e meu médico me explicou o porque: Sempre fui gorda, desde bebe, já nasci maior do que deveria. Meu médico disse, que eu deveria ter atingido meu peso ideal ainda quando criança, algo que deveria ter sido cuidado pelos meus pais já que criança não tem noção dessas coisas, e eu não ligava, tive uma infância feliz, sempre muito rodeada por amigos, mas não os culpo, creio que pra quem passou por uma infância com comida escassa,  deveria ser difícil negar algo pra sua filha. Enfim, tanto tempo acima do peso, meu organismo acabou aceitando isso como "saudável", tanto que não tenho nenhum problema de saúde, mas na verdade não sei se tem relação uma coisa com outra ou se é só sorte. Então quando começo a emagrecer, ele acha que tem algo errado comigo, que estou doente, e o metabolismo desacelera justamente para evitar o emagrecimento que ele acha que não é necessário. Nesse momento, eu preciso maneirar na dieta e exercícios e manter o peso daquele momento, como um aviso "ei, tô legal, pode acelerar meu metabolismo novamente!" e então, depois de um tempo eu posso voltar com uma dieta mais disciplinada e exercícios mais intensos. Tenho que fazer essas pausas, por isso demoro tanto a emagrecer.

Mas a minha revolta, é que por mais que eu não goste de ser gorda, é tudo mais difícil quando se é gordo e estou lutando pra ficar mais saudável, ainda assim eu gostaria de ter o direito de ser feliz em quanto não consigo ficar como quero. Deixei de me relacionar com pessoas por causa do meu corpo, deixei de dançar feito louca na pista por causa do meu corpo, deixei de ir a praia com os amigos por causa do meu corpo, deixei até mesmo de dar uma opinião sobre determinado assunto por causa do meu corpo, deixei de ter diversas experiências que me enriqueceriam por causa do meu corpo. Sempre sempre escondendo meu corpo, escondendo minhas opiniões, minhas escolhas, minha forma de pensar, minhas vontades, escondendo minha vida por causa desse corpo, sempre com medo do que os outros vão pensar de mim, com medo de que elas se afastem de mim, por nojo, vergonha e etc. Chega gente, não posso mais viver assim, nessa insegurança, nessa inércia, não posso esperar mais. Agora está aí pra todo mundo ver como sou, não tenho mais o que esconder. Pessoas que enxergam em mim mais que um corpo continuaram minhas amigas, se você me acha ridícula, escrota, ofensiva, fique a vontade para desfazer amizade, não fará falta nenhuma.

Se você está insatisfeito com seu corpo, quer ficar saudável, mais bonito, corra atrás que vale a pena, só não faça como eu que deixei de viver a vida como deveria por anos, por algumas pessoas que colocaram na minha cabeça que eu não deveria ser feliz e que certo é ter vergonha e me esconder em quanto não atingisse meu peso ideal. Só que eu não quero mais seguir esse conselho."

Isso aí, Suzane!

Beijos e boa semana, meus amores!
Jana Pupo.


P.S: Se você me enviou e-mail e ainda não respondi, peço desculpa e que tenha um pouco mais de paciência, que assim que der, respondo, ok?

Dicas, dúvidas, críticas e sugestões escreva para:
jana.pupo@yahoo.com.br






Sou casada com dois homens.

By : Janaína Pupo



Ei, gente bonita, tudo bom? 

Tô atrasada com o blog, com os e-mails dos leitores, com o sono, enfim, o dia está curto, mas logo tudo voltará ao normal (ou não) =P Enfim, vamos tentar ajudar a Rita? Bora lá...

"Meu nome é Rita, sou casada há dezessete anos com Ernesto. Nosso casamento é ótimo e meu marido sempre teve o fetiche de me ver transando com outro homem e praticamos o menage masculino há cinco anos. Resumindo, nos envolvemos com Nico e estamos vivendo um casamento a três. Estamos felizes e morro de vontade de ser mãe, mas não sei se estou preparada para lidar com isso, meu filho ter dois pais. O que eu faço?"

Rita, querida... que mulher de sorte de você, hein? Cuida bem do Ernesto, porque a mulherada tá em peso esperando o convite dele para o samba ;)
Brincadeirinha, meu doce... só para descontrair.

Com certeza, muitas pessoas já te julgaram e estão te julgando agora. Várias mulheres estão pensando: "nossa, que puta vadia!", mas na real, estão morrendo é de inveja! Confesso que viveria "um causo" desse fácil, fácil, desde que, futuramente, o meu "paquito", não viesse com a historinha de acrescentar outra "paquita" no nosso ninho, porque no nosso límpido aquário, só a PEIXONA PINK AQUI QUE FAZ BORBULHAS DE AMOR! Sim, eu sou ego, eu sou ista, eu sou egoísta. Sou fêmea Alfa e tenho dito.

Mas né, Rita, tudo tem seu ladinho negativo, nem que for só um tiquinho e nesse "triângulo amoroso", fique atenta para os pombinhos não terem crises de ciúme, tipo, um achar que está recebendo menos atenção que o outro, ou teu marido se sentir rejeitado, por ter carne nova no pedaço, mesmo ele curtindo te ver com outro. Cuidado, não exagere no love com o bofe "lançamento".

Eita, já pensou se vira moda isso de Dona Flor e seus dois maridos? Ai que coisa boa! Afinal, sempre só os homens que podiam ter seus haréns, acho digno nós, mulheres, termos um pouco de melado também =P
Tá, eu me empolgo e acabo perdendo o rumo.

Rita, queridona. Sou daquelas que "quase" não critica as pessoas, mas quando tenho que falar, falo sem dó.  Você comentou sobre engravidar e que a ideia do seu filho ter dois pais te incomoda. Vem cá, você tem confiança o suficiente para transar com seu "outro marido" sem camisinha? Cuidado, muié! Seu marido "matriz" aprova isso de você engravidar e a fertilização ser tipo "que vença o mais foda"?

Aprovo todo o seu lance, só acho que você tem que pensar beeeem direitinho e conversar muito com o seu maridão e decidirem juntos o que vão fazer. Sei que já falei isso aqui muuuitas vezes, mas repito: o diálogo, é a arma mais importante em um relacionamento.

Quando o casal decide algo juntos, quando é prazeroso para os dois, é super válido, saudável para a relação. E também é MUITO importante o SEXO SER SEGURO, então, em caso de dúvida, bora encapar o Gonzo. TEM QUE USAR CAMISINHA!

Beijos e boa semana, meus amores!
Jana Pupo.


P.S: Se você me enviou e-mail e ainda não respondi, peço um pouco mais de paciência, que assim que der, respondo, ok?

Dicas, dúvidas, críticas e sugestões escreva para:
jana.pupo@yahoo.com.br

- Copyright © 2013 Janaina Pupo - Traduzido Por: Template Para Blogspot